Connect
To Top

Olhar ao fundo…

As inquietações em relação ao financiamento do País são justificadas

Em momentos de apertos financeiros como o que o País vive é normal inquietações sobre novas fontes de financiamento, sobretudo quando a crise é derivada de gargalos na principal fonte de financiamento, no caso o petróleo, cujo preço reduziu consideravelmente, causando choques consideráveis nas receitas. As inquietações justificam-se, ainda mais, quando as perspectivam futuras também se apresentam nebulosas como tem estado a acontecer.
O Banco de Investimento Goldman Sachs, por exemplo, estima queda do preço do petróleo para 20 USD/barril em 2016, acredita na permanência e ou “agravamento” do excesso nas ofertas petrolíferas no mercado mundial. Assim, estaríamos a falar de uma quebra de cerca de 50% em relação ao preço de referência (USD) na elaboração do OGE para o ano em curso, no caso o revisto, depois do elaborado com o preço de 81 USD.
O Fundo Soberano de Angola é uma das instituições que se encontra no centro das diversas interrogações decorrentes do cenário descrito. Como se irá financiar no futuro? Onde está a investir? Quando terá retorno dos investimentos e, sequencialmente, garantir receitas ao OGE?
Como tema de destaque da 18ª edição da Revista Rumo, as respostas a estas e outras questões como resultado de uma entrevista com o chairman do Fundo Soberano, José Filomeno dos Santos (publicada na
integra na edição 13 do Semanário Mercado). Na sequência, os dez maiores Fundos Soberanos do Mundo. As práticas, percurso e experiências…
Outro destaque vai para a entrevista com o novo CEO da Siemens em Angola, Sérgio Filipe. Revela a estratégia que irá seguir para manter a tendência de crescimento da multinacional alemã no País. O melhor café do mundo para start-ups. Descubra como funciona e onde está localizado. Uma indicação: É o HanaHaus e, de certeza, uma ideia que encontraria espaço em Angola tendo em conta as dificuldades de instalação das start-ups em função do preço, considerados altos, do metro quadrado para escritórios.

César Silveira
Director

You must be logged in to post a comment Login