Connect
To Top

A era do crowdfunding

Dicas na hora de obter financiamento

Há um novo caminho a trilhar na hora de procurar financiamento para um projecto, é o caminho do crowdfunding. Ainda pouco usado no País, ganha escala a nível mundial.
A criatividade é ao que se apela perante as dificuldades financeiras e a necessidade de concluir determinados projectos e ou alcançar objectivos. Sem expressão no País e com tendência de crescimento noutros mercados, o crowdfunding pode ser um recurso válido para o financiamento de projectos perante as actuais dificuldades económicas do País. Pode servir para acudir a equipas de futebol que, por dificuldades financeiras, têm os objectivos comprometidos, bem como para a efectivação de exposições artísticas e ou a conclusão de invenções, que inúmeras vezes terminam na gaveta por falta de financiamentos.
O caso Akwa, por exemplo, pode encontrar resolução com recurso ao crowdfunding. O antigo capitão da selecção angolana de futebol, Fabrice Alcebiades Maieco, está impedido de desempenhar qualquer actividade desportiva por decisão da FIFA, como resultado de um litígio com o clube. O antigo camisola 10, que inúmeras vezes manifestou a intenção de concorrer à presidência da FAF, tem de pagar cerca de 250 mil dólares e tem solicitado apoio às instituições por estar sem condições de resolver o assunto sozinho, segundo diz.
Os Meninos de Cá é um projecto que também pode fazer recurso ao crowdfunding para a realização de uma exposição e ou edição de um livro com as diversas fotos. Criado pelo jornalista Helder Caculo, o projecto resume-se na colecção de diversas fotografias feitas em várias regiões do país por distintos fotógrafos profissionais e amadores. Imagens que retratam a criança angolana como ela é, como brinca e se comporta no meio social em que está inserida. Segundo o criador, o projecto, actualmente, possui mais de 300 fotografias. Realizar uma exposição é um objectivo e o dinheiro arrecadado seria doado para crianças desfavorecidas.
Jovens como o mecânico Tino Carneiro também podem recorrer a este tipo de financiamento. Pretende investir numa oficina móvel mas falta-lhe verba para a compra de uma viatura, bem como uma pequena quantidade de peças sobresselentes. Aos contribuintes poder-se-ia oferecer mão-de-obra gratuita durante determinado tempo. Portanto, projectos existem, falta a promoção, as empresas ou plataformas, no caso angolanas, e os patrocinadores, claro.

Leia mais na edição n.º 20 da Revista Rumo

You must be logged in to post a comment Login