Connect
To Top

As cidades querem-se inteligentes

A Expo 2015, em Milão, mostrou as possibilidades do conceito de “smart cities”

O conceito de rede eléctrica inteligente mostrou todas as suas possibilidades na Expo 2015, que se realizou em Milão, numa colaboração da Siemens com a Enel, empresa italiana de electricidade. Uma viagem ao futuro das cidades.

O Verão está este ano estupidamente quente. Lá fora estão 35ºC. Felizmente, o escritório tem ar condicionado, tornando o trabalho suportável. A temperatura certa para o corpo humano, dizem os especialistas, anda à volta dos 20ºC, 22ºC. E o conforto que agora sente enquanto trabalha deve continuar no lar. Pega no smartphone, abre a aplicação de que precisa e insere uma ordem: temperatura da sala de estar, 21ºC. No meio está a virtude. Assim, quando chegar a casa o ambiente estará à sua medida. Lembra-se, de repente, que quando saiu se esqueceu de abrir as persianas, e quem sofre são as suas plantas, que não irão receber luz suficiente. Nada que não possa ser corrigido: tecla mais uma ordem no objecto que, na realidade, já muito pouco tem de telefone, abrir persianas da cozinha. As plantas, por hoje, estão salvas. E, já que está com a mão na massa, que tal baixar mais um pouco a temperatura do frigorífico? Como toda a gente sabe, a cerveja quer-se estupidamente gelada…
Parece cena corriqueira de filme futurista, mas, na verdade, é real. Como ficou demonstrado na Expo 2015 de Milão, que encerrou as portas no final de Outubro e mostrou todas as potencialidades do conceito de smart cities. Numa experiência levada a cabo pela Siemens e pela Enel, empresa italiana de energia, o fornecimento de electricidade à feira mundial deste ano foi assegurado através de uma smart grid, uma rede eléctrica inteligente, que permitiu desvelar como será o futuro das nossas cidades: inteligentes, sustentáveis, confortáveis. A seguir à Internet ‘das coisas’ vem a energia ‘das coisas’, como diz Matteo Murgida, o arquitecto de software da Siemens que criou o sistema que deu luz à exposição italiana.
Na sala de controlo na sede da Siemens em Milão, Murgida leva-nos numa viagem pelo sistema, cuja simplicidade de utilização é inversamente proporcional à complexidade tecnológica que está por detrás. O sistema desenvolvido pela empresa alemã é baseado em tecnologia cloud, abordagem que permite que os gestores de energia da Enel monitorizem e optimizem o fornecimento de energia em todo o recinto da Expo e em todos os edifícios a partir do seu centro de controlo e via smartphone.

Leia mais na edição n.º 20 da Revista Rumo

You must be logged in to post a comment Login