Connect
To Top

“Declaração de Marraquexe” coloca agricultura africana no centro de atenções da COP22

A Reunião de Alto Nível Internacional que uniu várias entidades de países africanos chegou a um consenso. Reduzir a vulnerabilidade da agricultura africana face às alterações climáticas ganha fulgor com aliança consolidada.

Cientistas, políticos, académicos, líderes do sector privado e representantes de organizações internacionais (FAO, Grupo do Banco Mundial, Banco Asiático de Desenvolvimento, entre outros) adoptaram a “Declaração de Marraquexe” para consolidação do compromisso firmado entre esses países para colocar o tema da adaptação da agricultura africana no centro das negociações da COP22. A cimeira que antecede a COP22, ocorreu entre 29 a 30 de Setembro, em Marraquexe, Marrocos.

Denominada Iniciativa para a Adaptação da Agricultura Africana às Alterações Climáticas, ou simplesmente Iniciativa AAA, foi lançada em Abril deste ano impulsionada por Marrocos, regida por duas premissas: a primeira, de trazer equilíbrio de distribuição dos fundos climáticos para adaptação e moderação; a segunda, a promoção da implementação de projectos concretos e inovadores em termos de gestão do solo, utilização da água na agricultura, gestão dos riscos climáticos e a capacidade de atingir soluções construtivas.

Esteve no cerne do encontro a partilha de soluções agrícolas e as boas práticas que podem ser aplicadas em todo o continente africano.
Ao todo 27 países subscreveram ao documento que pode vir a tornar realidade, a ideia de transformar o continente africano num interveniente-chave para as questões climáticas.

Assinaram a “Declaração de Marraquexe”, Argélia, Benim, Burquina-Faso, Burundi, Camarões, Cabo-Verde, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Egipto, Etiópia, França, Gabão, Gâmbia, Guiné, Costa do Marfim, Lesoto, Madagáscar, Mali, Mauritânia, Marrocos, Nigéria, República do Congo, Senegal, Seychelles, Sudão, Suazilândia, e Togo.

Até ao momento, a iniciativa está activamente apoiada por 25 países africanos, a UNFCCC, e a FAO.

A reunião assinalou também o lançamento da campanha #weAAAre, focada na sensibilização do público e mobilização da comunidade internacional, para agir em favor da iniciativa AAA.

A aliança consolidada sobre a Iniciativa AAA determina as expectativas fixadas para a grande cimeira, COP22, que decorre de 7 a 18 de Novembro na cidade marroquina.

Aparte deste encontro, no início de Setembro, consultas informais entre 140 delegados e negociadores climáticos de mais de 50 países realizaram-se em Skhirat, Marrocos.

Os dois dias de sessões plenárias e workshops permitiu aos participantes progredir numa série de questões-chave de preparação para a conferência sobre alterações climáticas da ONU. Tanto iniciativa AAA e as consultas, ambos são eventos pré-COP22.

Estratégias ambientais para COP22

A COP22 será a 22ª Conferência das Partes e é um evento que se integra na Convenção Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas.

Neste ano irá tomar as rédeas da COP 21, e estará focada em planos de acção para atingir as prioridades do Acordo de Paris, especialmente relacionadas com a adaptação, a transparência, a transferência de tecnologias, mitigação, capacitação e perdas e danos.

Para Salaheddine Mezouar, presidente da COP22, esta conferência é uma ” oportunidade de fazer as vozes dos países mais vulneráveis às alterações climáticas ouvido, nos países africanos particulares e Estados insulares. É urgente agir sobre estas questões ligadas à estabilidade e segurança “, declarou em nota de comunicado no site oficial da instituição.

Por: Cláudia Simões

You must be logged in to post a comment Login