Connect
To Top

O Empreendorismo não está na moda!

A realidade é que o “empreendedor” não é um cargo é o estado mental de alguem que deseja mudar o futuro.

Por Naiole Cohen dos Santos
Economista/MBA em Finanças

O empreendedorismo não está na moda! A atitude empreendedora sempre fez parte do ADN do ser humano. O que se vem alterando ao longo dos séculos são os ambientes económicos, políticos, culturais e sociais para empreender. Milhões em Angola empreendem todos os dias, quer pelo instinto de sobrevivência ou quer pela necessidade de rendimentos adicionais. O tema não é novo. Nova é a urgência!

A urgência coloca-se porque Angola está num momento crucial do seu desenvolvimento e com condições macroeconómicas que a obrigam a repensar na sua estratégia como País e nos seus recursos. Nomeadamente, na sua natural dose de juventude e optimismo envolta de uma percepção positiva para oportunidade de negócio. Estes são uma parte dos ingredientes certos e positivos, mas não bastam! A outra parte dos ingredientes, ainda por melhorar, são as condições estruturais; como sejam a educação e a preparação financeira básica, integrados num ecossistema desburocratizado e sem gasosas no caminho e no esforço de empreender. Estes são motores para que os ingredientes positivos para o empreendedorismo possam ter sucesso.

No “ar” estão as questões: Como fazer de Angola um País bom para empreender? Como continuar a incentivar os corajosos e persistentes empreendedores para que sejam cada vez mais qualificados e preparados para os crescentes desafios da competição? Como fomentar parcerias? As respostas a estas e outras questões são urgentes param criar um bom ambiente de negócio e propiciarem a sustentabilidade das iniciativas geradoras de emprego para além do primeiro ano de empreendimento. As parcerias vão ajudar. Vital é perceber que mais do que a quantidade, promover a qualidade no empreendimento é o que todos desejamos. As parcerias, as trocas de experiência em sectores semelhantes e a internet, são veículos de aprender a fazer. É verdade que o empreendedorismo evolui com base na criatividade e motivação dos seus intervenientes, mas a peça fundamental para o crescimento está presa ao meio económico e social, à infraestrutura física, e ao nível de sofisticação e disponibilidade tecnológica.

Os inquéritos do GEM, os estudos da Forbes Insight, o índice de Doing Business do Banco Mundial, dão pistas mais do que suficientes sobre a forma que as políticas públicas têm que responder ao potencial de empreendedorismo em Angola. Não é um tema fácil, mas nascemos e crescemos a ouvir que Angola é rica e tem potencial. O que almejamos é ter o contexto económico, social e político para o confirmar. Business Angels, precisam-se! Um ambiente de negócios compreensível com riscos provenientes da competitividade saudável. Cada País tem o nível e qualidade de empreendedorismo que o contexto permite. O empreendedorismo não é moda é um must! Qual nível de empreendedorismo que o contexto de Angola deseja permiti

You must be logged in to post a comment Login

  • Expectativa x Esperança

    Qual será palavra acertada para descrever o sentimento para este ano? Pois bem…vejamos alguns indicadores.

    apedroFebruary 7, 2018
  • Spillover, crowding out e outros palavrões em ‘economês’

    Volta e meia, lá vai um palavrão em “economês” e fica todo o mundo a olhar… Uns porque não entenderam, outros...

    apedroDecember 8, 2017
  • Legítima Expectativa

    O que se espera de quem. Que jogo é este entre presidente/cidadão, patrão/empregado, pai/filho em que se geram expectativas, de um...

    apedroDecember 6, 2017
  • Protagonistas dos novos tempos

    Se tivesse de escolher entre vários temas no discurso sobre o Estado da Nação, um ressaltaria à mente: Juventude. Pensar nela,...

    apedroDecember 5, 2017